As ações da Cielo (CIEL3) e da Redecard (RDCD3) despencam no pregão hoje na BM&F Bovespa. O desempenho dos papéis reflete as declarações do ministro da Justiça, Paulo Barreto, que sugerem um maior controle do governo sobre a indústria de cartões de crédito no Brasil.

“A nossa ideia é promover as mudanças de uma maneira amigável e negociada com a indústria”, disse Barreto em entrevista concedida à agência Bloomberg. “Primeiro vamos regular as tarifas aos consumidores, depois a relação com os clientes e, depois, discutir as taxas de juros”, afirmou.

Por volta das 13h45, as ações ordinárias da Cielo caíam 9,16%, negociadas a 16,35 reais. Os papéis da Redecard recuavam 7,25%, vendidas a 29,4 reais. O Ibovespa – principal índice de ações da bolsa brasileira – também operava em queda, porém com uma variação de 1,2%, aos 62.105 pontos.

O cerco ao setor de cartões de crédito se ampliou em 2010. No começo de maio, o Banco Central divulgou, em conjunto com a Secretaria de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda e a Secretaria de Direito Econômico do Ministério da Justiça, um relatório extenso com várias propostas de mudanças no setor.

Em resposta, a indústria anunciou que poderá iniciar algumas práticas para coibir certas atitudes como cobranças indevidas, envio de cartões sem solicitação e falta de informações sobre a cobrança de tarifas. O compromisso foi assumido junto ao Ministério da Justiça.

A Federação Brasileira de Bancos (Febraban) e a Associação Brasileira de Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (Abecs) devem detalhar as propostas até o final de junho.

Gustavo Kahil, de EXAME.com

No responses yet

Deixe uma resposta